9.17.2008

Me prenderam em uma jaula


Cage #2, upload feito originalmente por e n i k ő.



Essa semana fui pega de surpresa por um golpe baixíssimo do RH da minha empresa e não foi redução no salário.
Decidiram simplesmente cortar o acesso ilimitado que os funcionários tinham à Internet.

OHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH
e AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH

Não to brincando.
Agora lá na MAPFRE funcionário tem 30 minutos, divididos em cotas de 5 minutos para acessar seu email pessoal ou site de notícia.
Rede sociais já eram bloqueadas desde sempre, eu tinha acesso por ser a área de comunicação e precisava fazer monitoria do que se falava da empresa lá, além de tocar projetos como o Ecoblogs e demais no estilo.

Pelo menos até hoje eu entrei no bolo e fiquei sem acesso a nada. (sim, os funcionários da MAPFRE, empresa que mantém o Ecoblogs, estão sem acesso ao projeto!)

Se você está revoltado, imaginei eu.

Comecei a escrever um bom email justificando porque, pelo menos eu e as pessoas das equipes de Comunicação e Marketing precisam ter acesso liberado full time for anything. Lógico que não é o caso de liberar downloads e afins porque não rola ficar comendo banda da empresa quando se tem outros processos importantes para rodar lá. Temos boas maneiras.

No texto do email já consta todas as justificativas dos projetos que tocamos online, todo o trabalho de monitoria e divulgação em rede sociais, o trabalho também de assessoria de imprensa, que demanda o acesso free aos site de notícias, portais, blogs, etc.
E ai quero dar um ótimo recheio na defesa do uso do email pessoal e das redes sociais como ferramentas de comunicação que podem otimizar (e otimizam) a comunicação entre cliente e agências. (sério, não estou acessando extranet de alguns fornecedores).

Venho aqui contar toda essa maleza para pedir ajuda a vocês. Criar aqui nos comentários um pequeno debate (com muita maturidade, por favor) sobre por que, céus, as empresas insistem em nos alienar. Insistem nessa de nos fazer esquecer que temos um vida fora do escritório (o corte do meu acesso fez que eu me sentisse lesada pessoalmente mesmo).

E mais: juro que vejo uma miopía tão grande que muitas vezes percebo que a própria empresa esquece que ela está inserida em um mercado. Alienando você cria gestores e funcionários que jamais trarão para o negócio as melhores práticas do mercado, que nunca aprenderão a analisar contextos. Isso é criar um câncer e pedir para morrer logo mais.

Tirando esse papo altamente filosófico, há uma outra discussão que pode ser produtiva para nós, pessoas que trabalhamos com Internet, sobre as motivações das empresas cortarem e temerem tanto o acesso do funcionário à Internet.

Estou aqui, num primeiro momento defendendo porque um grupo, hard user precisa ter acesso free, mas porque não todos os users? Acredito que culpa venha da própria Inclusão Digital feita sem "educação digital" que faz com que o uso moderado e com bom senso do acesso não exista no caso desse usuário novinhos, que só acessam Orkut e Msn e que ainda não enxergam a Internet na sua totalidade. Talvez não seja a hora das empresas educarem esse usuário para o acesso com bom senso ou invés de ficar tesourando e ameaçando de advertência e coisa tal?

Os comentários estão abertos para vocês, queridos leitores, fiquem à vontade.

11 comments:

Lucia Freitas said...

ai, Sylvia, que cousa chata, esta! Eu não entendo mesmo! As empresas querem ser bem-vistas pelo público em geral, pelos seus usuários e perdem os seus melhores RP's: os próprios funcionários.
Puxa vida! passar 8/10 horas num lugar sem ter acesso a sites e notícias quentinhas é um inferno. Nestas horas eu abençôo a minha escolha e luta para continuar autônoma. Espero que o RH caia em si e entenda, logo, logo, que internet é o caminho e a vida.

Ana said...

Oi Syl,

Na minha opinião, a postura do RH mostra como ela vê seus funcionários. Se o uso da internet está dando prejuízo à empresa, nada melhor do que fazer um seminário e explicar em números o que a navegação faz com a produtividade e a banda larga da empresa.

Eu trabalho no governo, a Prodesp bloqueia MSN, Orkut, YouTube, e concordo. Hoje temos um acesso diferente onde eles monitoram tudo o que acessamos. Desse modo, liberaram o Gtalk. Achei ok, até porque agora consigo falar com vários parceiros com muito mais facilidade pelo Gtalk.

Mas dentro da minha secretaria agora bloquearam COMANDOS DO WINDOWS como definir qual é sua imagem na área de trabalho. Algumas pessoas estavam colocando imagens "pessoais demais" (e eram mesmo). Em vez de explicar numa boa o que seria uma postura mais adequada, foram lá e enfiaram garganta abaixo um jpg mal feito pra TODO MUNDO no prédio. Tive que pedir pra fazer uma outra imagem melhor e agora ficou essa, que também desaprovo, mas pelo menos consigo me concentrar.

RH é recursos humanos, mas às vezes age pensando apenas nos recursos financeiros.

Ricardo said...

Não tem nem como perder tempo comentando isso.

Mentalidade retrógrada, alimentada por imbecis que fazem uso indevido da coisa. E estão dando um tiro no pé, pois a comunicação é a força, a forma, a receita do sucesso que tanto se almeja...
Infelicidade de quem tomou tal decisão... praticamente ignorância...

Ana said...

Aliás, quero dizer também que essa é a atitude mais absurda que já vi uma empresa tomar. 30 minutos de acesso ao e-mail pessoal... Eu quando estava na Argentina e fui assaltada só consegui bloquear meu cartão a tempo porque falei com meu amigo pelo gmail e ele tava online no trabalho, ligou pro meu pai e meu pai resolveu.

Ou a empresa confia nos seus funcionários ou acha que os dois estão em times opostos.

Sy said...

ana, acho que devem existir certos bloqueios sim nas empresas justamente para preservar a banda e evitar desperdícios.
Assim como cada máquina, por ser um patrinmonio institucional, deve ser padrões visuais corporativos. Isos até contribui para a construção do clima e da cultura da empresa.

Porém tudo pode ser melhorado educando as pessoas. Lógico, tem gente que abusa mesmo quando acha uma brecha. O caso da minha empresa foi justamente um daquele: uns abusaram, todos ficara sem.
Provavelmente essa foi a decisão mais rápida a ser tomada para uma empresa de mais de 2500 funcionários.

acredito e vou trabalhar para que esta prática da retaliação deixe de existir no futuro. Mas para isso acontecer precisamos, são só dentro das empresas, preparar melhor estes novos usuário a conviver digital e virtualmente.

Carol said...

Ah Sy... Acho que é isso mesmo que você falou, o pessoal não tem noção de como usar as coisas para se beneficiarem, usam em proveito próprio e aí dá nisso...

No seu caso, a comunicação da empresa está integrada com outras coisas, não são só os e-mails pessoas e as notícias, mas o EcoBlogs, etc., achei que foi falta de respeito com vocês como profissionais.

E eu odeio RH #prontofaleitambém.

Beijos
Carol
www.meuveneno.com

Sy said...

Lembro que assisti no congresso de comunicação do ano passado uma palestra da Thiane da Edelman que bateu muito a tecla da empresa se preparar, em suas políticas de RH, TI e demais, para a imersão dos funcionários nas rede sociais e, pricipalmente no acesso a internet no geral. Não há como separar aqui o indivíduo profissional do individual, portanto, o jogo precisa de novas regras.

infelizmente, o caso dessa semana mostra que essa preparação ficou faltando. hora de correr atrás.

Marleide Rocha said...

Que merda

Andre Passamani said...

Oi Sylvia,

Chatíssimo. É muito fácil você somar "melhor aproveitamento de recursos financeiros" (leia-se economia de banda) e "melhor aproveitamento de recursos humanos" (leia-se economia de tempo com navegação) e dar a isso a qualificação de "otimização de recursos".

Armadilha fácil, fácil. Pena que a Mapfre caiu. Já que vocês são uma organização e pensam diferente (sei disso pois vi isso como fornecedor), bastaria fazer o seguinte:

1 - gerar relatórios e ver quem está fora da curva.

2 - olhar quem está fora da curva e tratar caso a caso (ex tosco: alguem de comunicação que não usa internet e as funções sociais x alguém de contabilidade que usa demais). nos dois casos, haveria um problema, penso eu.

por fim, peça ao menos um habeas-corpus pro ecoblogs!

:-)

PS - São 3h35 e eu estou de licença médica mas também insone... A pergunta é: eu tô trabalhando? Peça ao seu RH pra decidir isso! Porque eu não tenho certeza ainda!

Andre Passamani
www.colmeia.tv

Sy said...

André, sua sugestão realmente é muito boa!
Com certeza vou encontrar um modo de contornar a situação.

A boa notícoa que eu consegui liberar o ecoblogs, porém se um post traz um vídeo do youtube ou imagens do Flickr, o espaço fica vazio (esquisitíssimo de olhar).
e nas indicações de link, vc vai para a simpática página da mapfre que diz: "site bloqueado conforme a politica de acesso à internet do normativos XPT-123, bla bla bla bla"

mellancia said...

Falta bom senso, mesmo se a pessoa tem uma educação "corporativa", numa empresa pequena como a minha, eu como chefe, já me irritei muitas vezes com bate papos no MSN que atrasaram o trabalho do cara. Concordo com as redes sociais bloqueadas, fato, e-mail pessoal não há necessidade, mas infelizmente a grande maioria não tem discernimento, se distrai com a internet e atrasa as responsabilidades.
Acho que sim precisa ser tratado caso a caso, uns devem ter acesso sem limite, mas muitos com limite, infelizmente.

bjs